Antecedentes

ANTECEDENTES

Em 20 de janeiro de 1998, foi cr4iado o primeiro Banco Comunitário no Brasil, na comunidade do Conjunto Palmeira, em Fortaleza-CE. O Banco Palmas, foi inaugurado com apenas R$ 2.000,00 (dois mil reais), tomado emprestado a uma ong local chamada CEARAH Perifeira. Quem criou o Banco Palmas foi os moradores do Conjunto Palmeira, organizados pela Associação de Moradores do bairro.

Em julho de 2003, os moradores do bairro criaram o Instituto Palmas de Desenvolvimento e Socioeconomia Solidária, uma OSCIP de Microcrédito que passa a ser a responsável jurídica pelo Banco Palmas.

Em setembro de 2005 o Instituto Palmas, em parceria com a Secretaria Nacional de Economia Solidária-SENAES-MTE, promove a multiplicação da metodologia dos Bancos Comunitários em todo o Brasil, chegando-se a 113 bancos comunitários em 20 estados do Brasil.

Em 2013, quando o Banco Central do Brasil, criou a Lei das Moedas Eletrônicas, o Banco Palmas se preparara para ser O 1º Banco Comunitário Digital do Brasil.

Em novembro de 2014 os moradores do Conjunto Palmeira criam o INSTITUTO BANCO DA PERIFERIA para tratar da estratégia de moedas eletrônicas e banco digitais e passa ser responsáveis por todas as operações em moedas eletrônicas do Banco Palmas.

Em março de 2015, em parceria com a empresa Moneyclip, o Instituto Periferia cria o e-dinheiro, uma moeda eletrônica, via celular.

Em outubro de 2015, vários bancos comunitários do Nordeste criam o “Palmas e-dinheiro”, hoje em funcionamento em vários municípios, sob responsabilidade do Instituto Banco da Periferia.